RESENHA | A longa viagem a um pequeno planeta hostil, de Becky Chambers

sábado, outubro 14, 2017



Antes de me aventurar na leitura desse livro, eu já tinha o conhecimento prévio que vou passar para vocês agora: o que importa não é o desfecho, e sim a jornada. A longa viagem a um pequeno planeta hostil não é sobre chegar a algum lugar, mas sim sobre o que acontece durante o caminho. A sensibilidade da história e os personagens tão bem construídos, me levaram para dentro das páginas e fizeram com que eu me sentisse em casa, na casa deles, na nave, em Andarilha. Eu era uma tripulante também.
"Criamos túneis através da subcamada para pular entre sistemas estelares. Escapamos da gravidade planetária com a mesma facilidade com qual caminhamos pela porta da frente. Porém, quando se trata de evolução, não passamos de uma ninhada recém-saída do ovo, tateando por aí com os nossos brinquedos. Acredito que é por isso que muitos dos meus colegas ainda adotam teorias sobre materiais genéticos espalhados por asteroides e supernovas. De certa forma, a ideia de um estoque compartilhado de genes que flutuam através da galaxia é muito mais fácil de aceitar do que a noção assustadora de que talvez nenhum de nós tenha a capacidade intelectual de entender como a vida de fato funciona."


Você já se imaginou vivendo em uma sociedade despida de preconceitos e machismo? Já pensou em como seria incrível conviver em igualdade entre gêneros e espécies? É isso o que o livro traz: humanos e alienígenas de várias espécies se conhecendo, se descobrindo e se envolvendo...
"Acho que, em geral, as pessoas decidem passar por uma cirurgia antienvelhecimento porque têm baixa autoestima e sentem que não são boas o suficiente com sua aparência atual. Só que tudo que fiz com meu corpo foi por amor. É sério. As tatuagens são uma recordação de vários lugares e lembranças específicas, mas, no fundo, tudo o que fiz foi o meu jeito de dizer que este é o MEU corpo. Que não quero o corpo que todos me diziam que eu deveria ter (...) Nem fodendo. Se vou mudar o meu corpo, as mudanças têm que vir de mim."
Ah, gente! Eu quis tanto, mas tanto, estar junto deles! De todos! Sem exceção! Cada descoberta que eu fazia sobre as peculiaridades de cada espécie me deixava mais encantada! E foi aí que eu cheguei a conclusão de que a mensagem do livro, pelo menos ao meu ver, é de que somos todos lindos, únicos, incríveis, interessantes e especiais. São as nossas diferenças que - de tão lindas - deveriam nos unir, embora, infelizmente, aconteça o contrário.


É que nós somos bobos! Tão inteligentes e bobos! Bastava um tempo em Andarilha, ou um tempo fora da bolha para entender que não há graça nenhuma em ser igual e em seguir um padrão. A magia acontece quando tudo se mistura. E é essa junção que nos faz brilhar como estrelasEu indico a leitura de A longa viagem a um pequeno planeta hostil para todos, sem exceção. Não importa se você gosta de ficção científica ou não. Esse é um livro que vai além de definições literárias. Ele é sentimento puro. Ele é um coração bem grandão e pulsante.

NOTA: 5/5+ | SKOOB | COMPRE+INFOs

- Caso ainda não tenha decidido se lerá o livro ou não, você não vai sair daqui na dúvida, pois clicando neste link a Raquel do Pipoca Musical vai te dar 5 motivos para ler essa obra maravilhosa. Pode assistir sem medo de ser feliz!

Sinopse: O livro de Becky Chambers é um marco recente no universo da ficção científica. Lançado originalmente através de financiamento coletivo pela plataforma Kickstarter, ele conquistou a crítica especializada e os ainda mais exigentes fãs do gênero, sendo indicado para prêmios respeitados, como o Arthur C. Clarke Award e o Hugo Award. Um dos motivos do sucesso de A Longa Viagem a um Pequeno Planeta Hostil é a abordagem da história. Elementos essenciais em qualquer narrativa sci-fi estão muito bem representados, como a precisão científica e suas possíveis implicações políticas. O gatilho principal é a construção de um túnel espacial que permitirá ao pequeno planeta do título participar de uma aliança galáctica. Mas o que realmente torna único esse romance on the road futurístico e muito divertido são seus personagens. Instigantes, complexos, tridimensionais. A autora optou por contar a história de gente como a gente — ainda que nem todos sejam terráqueos, ou mesmo humanos. A tripulação da nave espacial Andarilha é composta por indivíduos de planetas, espécies e gêneros diferentes, incluindo uma piloto reptiliana, uma estagiária nascida nas colônias de Marte e um médico de gênero fluido, que transita entre o masculino e o feminino ao longo da vida. Temas como amizade, racismo, poliamor, força feminina e novos conceitos de família fazem parte do universo do livro, assim como cada vez mais fazem parte do nosso mundo.
Livro recebido em parceria com a DarkSide Books <3

Você pode gostar também

0 comentários

Sua opinião é muito importante para mim. <3
Volte sempre!