Resenha | Meio Mundo, de Joe Abercrombie

sexta-feira, março 17, 2017


Meio Mundo é o segundo livro da trilogia Mar Despedaçado que começou com as aventuras de Yarvi, um príncipe com deficiência em uma das mãos e que sofria com o desprezo do reino e da própria família. Recomendo que antes de seguir lendo esta resenha, dê uma conferida na resenha do primeiro livro, Meio Rei, clicando aqui

Se você já leu Meio Rei, deve saber que o livro é repleto de reviravoltas - o que, para mim, foi o ponto forte da obra - e esse clima de tensão e surpresas é ainda mais intenso em Meio Mundo. Toda aquela saga de aventuras vividas por Yarvi e seus companheiros foi só a ponta do iceberg. Há muito mais nesse universo criado por Joe Abercrombie, e Meio Mundo é uma continuação ainda melhor e muito mais surpreendente.
"O gado morre. Os parentes morrem. Todo homem é mortal. Mas eu sei de uma coisa que não morre jamais: A glória dos grandes feitos."
O livro é dividido em quatro partes: Párias, Divino e Renegado, Primeira Cidade e Grandes Feitos; e a protagonista da vez é Thorn Bathu, uma garota de 16 anos que quer aprender a lutar e defender suas terras honrando a memória de seu falecido pai. Estaria tudo bem se Thorn não fosse mulher e, infelizmente, tivesse que sofrer as consequências de ser uma mulher "no lugar dos homens", no campo de batalha. Impulsiva, imatura e inconsequente, Thorn acumula sentimentos de raiva e injúria pela sociedade que insiste em desprezá-la e humilhá-la por querer ser uma guerreira.
"Uma carranca não é uma lâmina, e o ódio de Thorn não cortava ninguém, a não ser ela mesma."

Quando um erro terrível acontece, Thorn terá de pagar com a própria vida e é nesse momento que Yarvi (o protagonista do primeiro livro) aparece e lhe propõe uma troca que mudará todo o rumo de sua vida, e a história de Gettland.

Além de Thorn e Yarvi, conhecemos Brand - um jovem aluno guerreiro da turma de Thorn -. De bom coração e sempre disposto a fazer o bem, ele sonha em lutar e conseguir sustentar a irmã, Rin. O que Brand não sabia era que falar a verdade e fazer o que era certo lhe traria tanta dor de cabeça, juntamente com a possibilidade de perder tudo que ele conquistou. Enquanto Thorn estava cada vez decidida em seguir o caminho de guerras, lutas e vingança, Brand se questionava se aquele destino era realmente o que ele esperava
"Um homem que dedica todos os pensamentos a fazer o bem e nenhum às consequências… - Pai Yarvi levantou a mão deformada e pressionou o dedo torno contra o peito de Brand. - É um homem perigoso."

Quando esses três personagens principais se juntam na mesma trama, fica impossível parar a leitura. Yarvi é tão sábio, tão coerente, tão majestoso, tão fucking incrível que a cada sacada que ele dava, minha vontade era de aplaudí-lo. Em alguns momentos, ele me pareceu semelhante à Tyrion Lannister (de Game of Thrones) e se tornou - de longe - meu personagem favorito dos dois livros.
"Os tolos alardeiam o que vão fazer. Os herois fazem."
Nessa jornada, Thorn se mostra um diamante que precisa ser lapidado. Ao começar a treinar com uma senhora (você não leu errado, é uma senhora mesmo), a jovem evolui de corpo e espírito e começa a mostrar os sinais de que recebeu o dom da luta pelas mãos da Mãe Guerra. Thorn me surpreendeu positivamente em todos os quesitos e ela é o tipo de personagem feminina que eu adoro. Quando eu crescer, quero ser igual a Thorn Bathu.
"Às vezes a Mãe Guerra toca uma garota, que é colocada no meio dos garotos no campo de treino e aprende a lutar."
Joe Abercrombie escreve com autoridade e sabe como fisgar o leitores já nas primeiras páginas. A linguagem é simples, a ambientação é fácil, os diálogos são genuínos e as descrições são breves. Meio Mundo, assim como Meio Rei, é um livro de leitura fácil. Os personagens são cativantes, instigantes, misteriosos e surpreendentes. Meu destaque maior vai para Yarvi (que meu Deus do céu, que inteligência da gota! que sabedoria! que genialidade!) e Thorn Bathu que mostrou que ser mulher não é motivo para ser uma vergonha, muito menos sinônimo de fragilidade. Thorn ultrapassou os próprios limites, atravessou as barreiras da sociedade machista, me trouxe ensinamentos sobre a realidade de ser mulher e é mais uma personagem para o clubinho #LuteComoUmaGarota. Por mais mulheres como Thorn Bathu na literatura!
"Todo aquele trabalho. Todo aquele desprezo. Toda aquela dor. Mas Thorn havia derrotado todos. Fechou os olhos, sentindo o vento salgado da Mãe Oceano beijar seu rosto suado, e pensou em como seu pai ficaria orgulhoso."
   Sinopse: Os tolos alardeiam o que vão fazer. Os heróis fazem. Thorn Bathu não é uma garota comum. Mesmo tendo sido criada numa sociedade machista, ela vive para lutar e treina arduamente há anos. Porém, após uma fatalidade, ela é declarada assassina pelo mesmo mestre de armas que deveria prepará-la para as batalhas. Para fugir à sentença de morte, Thorn se vê obrigada a participar de um esquema do ardiloso pai Yarvi, ministro de Gettland. Ao lado dela se encontra Brand, um guerreiro que odeia matar, mas encara a jornada como uma chance de sustentar a irmã e conquistar o respeito de seu povo. A missão dos dois é cruzar meio mundo a bordo de um navio e buscar aliados contra o Rei Supremo, que pretende subjugar todo o Mar Despedaçado. É uma viagem desafiadora, em que Brand precisa provar seu valor e Thorn fará o necessário para honrar a memória do pai e se tornar uma verdadeira guerreira. Guiando os personagens por caminhos tortuosos em busca de amadurecimento e redenção, Joe Abercrombie mais uma vez nos maravilha com uma história grandiosa, que se sustenta sozinha por seu vigor, mas também dá continuidade à saga de Gettland e Yarvi. Finalista do prêmio Locus, Meio Mundo deixará o leitor na expectativa do desfecho desta série épica.
 Livro recebido em parceria com a Editora Arqueiro.

Você pode gostar também

0 comentários

Sua opinião é muito importante para mim. <3
Volte sempre!