Resenha | Minha Vida Fora dos Trilhos, de Clare Vanderpool

segunda-feira, julho 17, 2017



A história de Abilene, uma garotinha de 12 anos, se passa na pequena cidade de Manifest no Kansas. Antes disso, ela vivia com o pai, Gideon, de trem em trem, de vagão em vagão. Mas Gideon não queria essa vida para Abilene. Então ele a mandou para Manifest, aos cuidados de um amigo e pastor, Shady, e prometeu à filha que voltaria no fim do verão.
"Senti uma dor no coração que subiu até a garganta como um nó quando me peguei procurando uma área menos cheia da sala. Um lugar tranquilo e pequeno onde pudesse ter uma ou duas pegadas deixadas pelo meu pai."
Chegando lá, Abi é bem recebida, mas dentro dela há o sentimento de abandono e saudade. Com o passar dos dias, ela se questiona o real motivo de ter ido parar ali e descobre que Manifest é uma cidade muito importante para seu pai e que existem segredos ali que ninguém se atreve a compartilhar.


"Eu achava que sabia algumas coisas sobre as pessoas. Tinha até a minha lista de universais. Mas agora estava em dúvida. Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo."
Movida por curiosidade, ela encontra uma caixa de charutos escondida e se surpreende com o conteúdo: cartas, recortes e postais escritos na época da Primeira Guerra. Dois rapazes: Ned e Jinx. O que eles têm em comum com a história de Abilene?
"Por intermédio daqueles objetos que encontrei (...) eu estava conectada àquele lugar e àquelas pessoas."

"Às vezes, quando as pessoas vão embora, é difícil olhar para trás. Não é culpa delas."
Eu poderia escrever mais sobre essa história, com muito mais detalhes, e ainda assim não seria spoiler. Nada que eu fale ou escreva aqui chega perto da profundidade de Minha Vida Fora dos Trilhos. Clare Vanderpool escreveu uma história dentro de outra história e as uniu, no final, com muita sensibilidade e fragilidade. Assim como nós somos. Assim como nossas histórias reais costumam ser.
"Eu achava que sabia algumas coisas sobre as pessoas. Tinha até a minha lista de universais. Mas agora estava em dúvida. Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo."

Eu me vi na Abilene várias e várias vezes. Eu também já tive uma caixinha [de sapato] secreta. Então eu senti na pele a importância que cada item continha, e a história que cada objeto carregava. Minha Vida Fora dos Trilhos é lindo! Apesar de narrar duas histórias aparentemente diferentes - o que aguçou minha curiosidade e ao mesmo tempo me confundiu um pouco - Clare Vanderpool, mais uma vez, encanta e não decepciona.
"Qual era o meu lugar? Onde era a minha casa?"


Todo mundo quer pertencer a algum lugar. Mas nem sempre é fácil carregar nas costas aquilo que vivemos. Entretanto, não se pode varrer todas as memórias para debaixo do tapete. Lidar com elas, apesar de difícil, talvez seja o melhor caminho para se encontrar.
"A esperança é um cobertor onde muitos se deixam envolver".
"Quem sonharia que alguém pode amar sem ser esmagado por esse peso?" 

OUÇA A PLAYLIST NO SPOTIFY:






Sinopse: A protagonista de MINHA VIDA FORA DOS TRILHOS, Abilene Tucker, tem apenas 12 anos, mas é corajosa e impetuosa o suficiente para encontrar aventuras na pequena cidade de Manifest, Kansas, um fim de mundo para onde seu pai a enviou de trem a fim de passar o verão sob a tutela de um velho conhecido enquanto ele trabalha em uma ferrovia. O que parecia ser o período mais solitário e entediante de sua vida ganha um novo e surpreendente rumo quando Abilene encontra uma velha caixa de charutos com cartas antigas e pequenas lembranças de outros tempos. Aos olhos curiosos da menina, a caixa se torna uma verdadeira arca do tesouro, onde segredos enterrados conectam dois momentos da cidade. A partir de então, o livro se divide em duas narrativas cronológicas: passado e presente se misturam, daquela maneira mágica que só um bom livro consegue contar. Os acontecimentos vão da época da Primeira Guerra Mundial à Grande Depressão norte- americana dos anos 1930, com soberba fidelidade histórica que ajudam a construir esta narrativa de perda e redenção.
Livro recebido em parceria com a DarkSide Books <3

Você pode gostar também

0 comentários

Sua opinião é muito importante para mim. <3
Volte sempre!