Revival - Stephen King | #AllAboutKing

terça-feira, outubro 04, 2016



Assim que concluí a leitura deste livro vim escrever a resenha porque senti que precisava - desesperadamente - falar sobre ele. Quem já leu Stephen King, e até quem não leu, sabe que o autor é aclamado no mundo inteiro por causa de suas histórias de terror, desde o mais leve ao mais macabro. Em Revival, King aposta no terror psicológico e questiona a fé, os princípios humanos, o medo, a curiosidade e os vícios. Até onde o ser humano pode ir para provar algo?

O reverendo Charles Jacobs pregava a palavra divina na igreja, fazia bons cultos, levava harmonia e aprendizado para os jovens e vivia em paz com sua família e com a comunidade. Mas um terrível acidente aconteceu e o fez questionar sua própria fé, suas crenças, seus votos e, principalmente, o Deus que ele servia, a vida e a morte. Será que tudo acaba quando a gente morre? Estaríamos nós esperando em descanso até o dia do julgamento final ou existiria um mundo além disso, inexplorado pelo conhecimento humano? Movido pela curiosidade e pela descrença no Deus eterno, Charles Jacobs se tornou herege, foi expulso da cidade e passou a idolatrar outra divindade: a eletricidade.



A história é narrada por Jamie Morton, desde a infância até a idade adulta, que relata a convivência com Charles Jacobs em todas essas fases de sua vida. O garoto que via no reverendo um grande amigo, cresceu e encontrou nele seu pior pesadelo. Os primeiros capítulos do livro fluíram com rapidez e a cada página virada eu imergia mais na trama. Entretanto, a escrita do King foi se mostrando prolixa e, algumas vezes, o excesso de informações (que julguei desnecessárias) me incomodou durante a leitura. Essa prolixidade é, na verdade, uma característica do autor. Alguns adoram, outros nem tanto. Eu estou no segundo caso, mas mesmo assim Revival cumpre seu papel e arrepia. 





Se você está procurando uma história de terror que te deixe com medo de apagar as luzes, talvez se decepcione com Revival. O terror deste romance está nas estrelinhas, no irracional, na realidade crua e visceral da obsessividade humana. O terror está no bizarro, e é tão real que incomoda.

O final do livro é a melhor parte, com certeza. O desfecho de Revival vai estar para sempre na minha memória. Stephen King escreveu cenas difíceis de esquecer e que, um dia, talvez, eu as relembre e perca o sono. Apesar da prolixidade, eu indico para quem gosta de terror psicológico e surpresinhas macabras. Revival me arrepiou, como se uma corrente elétrica passasse por todo o meu corpo. Literalmente


A leitura de Revival faz parte do projeto #AllAboutKing criado pela Mayra do canal All About That Book. Saiba mais clicando aqui.

SINOPSE: Em uma cidadezinha na Nova Inglaterra, mais de meio século atrás, uma sombra recai sobre um menino que brinca com seus soldadinhos de plástico no quintal. Jamie Morton olha para o alto e vê a figura impressionante do novo pastor. O reverendo Charles Jacobs, junto com a bela esposa e o filho, chegam para reacender a fé local. Homens e meninos, mulheres e garotas, todos ficam encantados pela família perfeita e os sermões contagiantes. Jamie e o reverendo passam a compartilhar um elo ainda mais forte, baseado em uma obsessão secreta. Até que uma desgraça atinge Jacobs e o faz ser banido da cidade. Décadas depois, Jamie carrega seus próprios demônios. Integrante de uma banda que vive na estrada, ele leva uma vida nômade no mais puro estilo sexo, drogas e rock and roll, fugindo da própria tragédia familiar. Agora, com trinta e poucos anos, viciado em heroína, perdido, desesperado, Jamie reencontra o antigo pastor. O elo que os unia se transforma em um pacto que assustaria até o diabo, com sérias consequências para os dois, e Jamie percebe que “reviver” pode adquirir vários significados.


Você pode gostar também

4 comentários

  1. Oi, Jess!
    Adorei esse livro do Stephen King ♥ É tão gostoso acompanhar diferentes pontos de vista. Achei que foi menos prolixo do que outras obras dele. Fiquei mega envolvido pela história e adorei as referências, como a Mary Shelley (Frankenstein) ♥
    Abraços
    Blog do Ben Oliveira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ben! Eu tbm gostei muito dele. A prolixidade do King é algo que, infelizmente, acaba sempre me incomodando um pouco, mas ainda assim gosto da escrita dele e quero sempre ler novos livros. Adorei as referências também, além da Mary, ao Lovecraft - que também quero conhecer em breve.

      Obrigada pela visita.
      Bjs

      Excluir
  2. Não conhecia esse livro do Stephen.Já vou começar a procurar esse livro, parece ser muito bom mesmo!

    Gostei muito do teu blog!

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim. <3
Volte sempre!