[Bate-Papo] Emprestar livros: sim ou não? Eis a questão!

sábado, agosto 29, 2015


Oi, gente, tudo bom? Hoje é dia de estreia da coluna Bate-Papo aqui no blog, e nela falarei sobre diversos temas (a maioria, a princípio) sobre livros, mas poderemos trocar ideias sobre diversos assuntos que vierem a surgir, ok? Então, vamos lá! Hoje vou falar sobre um tema polêmico: Emprestar livros. Já vi por aí várias pessoas que são contra e a favor e agora vou botar a boca no trombone, a cara no sol. 

Vou falar o que eu acho de maneira curta e grossa: 
Eu não empresto os meus livros.

Mas, calma aí. Toda regra tem sua exceção e eu vou deixar tudo bem explicadinho pra vocês.


Por que eu não empresto meus livros:

1. Antes mesmo de eu ser uma leitora assídua, eu emprestava meus poucos livros para o céus a terra. Resultado: O primeiro livro que emprestei, nunca voltou. O segundo que emprestei (há cerca de 5 anos atrás) voltou ano passado, e o terceiro que emprestei também nunca mais voltou. A pessoa diz que nem se lembra onde ele está. Cadê a consideração?
Apenas observo.
 
2. A questão não é que eu seja fanática ou colecionadora de livros (embora não haja mal nenhum nesse costume, desde que a pessoa leia os livros). A questão é uma só, gente: FALTA DE CONSIDERAÇÃO. Eu me chateio se amassam meus livros, sim. Se mancham, se derrubam ou se rasuram. E não é por serem LIVROS, mas é por ser ALGO MEU. Do mesmo jeito que não empresto roupas porque já voltaram manchadas. Da mesma forma que não empresto sandálias, porque voltam frouxas ou descascadas. 

As exceções a regra:

1. Como eu já disse, toda regra tem sua exceção, certo? Então, mesmo eu não emprestando meus livros mais para os céus e a terra, eu ainda empresto para - poucas - pessoas de confiança, como meu namorado, por exemplo. Assim como eu, ele cuida dos livros e o mais importante: ele tem consideração por mim e pelo objeto meu que ele tem nas mãos.

2. Eu peço livros emprestado. Esse é um costume que eu já não tenho mais com frequência, graças ao e-book. Mas, recentemente peguei o livro Psicose - edição da Darkside - emprestado com o namorado, li e devolvi em perfeito estado. Eu me considero uma exceção a regra porque eu tenho consideração.

Por fim, saibam que sou totalmente a favor de emprestar livros, incentivar e propagar a leitura. Entretanto sou totalmente contra ao mau hábito de não zelar pelas coisas. Se a pessoa tem cuidado: empresto. Se a pessoa não tem: vai chupar dedo olhando minha estante! 

E mais uma vez, volto a dizer: a questão não é NÃO EMPRESTAR LIVROS, a questão é não emprestar QUALQUER COISA para pessoas que não sabem cuidar de algo que não lhe pertence. Afinal, todos nós queremos que nosso dinheiro gasto valha a pena, certo? Então, aqui vai uma dica: Se você conhece alguém que gosta de ler, pede seus livros emprestados, mas você sabe que essa criatura vai danificar seu livro por causa de experiências anteriores, dê dicas de e-book pra ela. Sites como a Amazon tem vários com um precinho bem pequenininho! Assim você não vai se entristecer com um livro em mau estado, não vai perder a amizade e ainda vai estar dando dicas de livros e incentivando a leitura.

Então é isso, pessoal. Por hoje é só e essa foi a minha opinião. Agora quero saber a de vocês. Concordam comigo ou não? Contem-me as suas experiências! 
Beijos e até o próximo bate-papo!

Você pode gostar também

7 comentários

  1. HAHAHAHA! Se eu concordo? Concordo sim, e assino em baixo!
    Uma vez emprestei A Esperança, meu grande amor de Suzanne Collins. Voltou com a lombada rasgada de um lado. Fiquei "doida de jogar pedra", tive que colocar um "durex" e o bichinho nunca mais foi o mesmo! ;'(
    Depois uma outra pessoa pediu um livro emprestado, emprestei, e depois de uns três meses ela ainda não tinha lido, acredita? E ainda ficou com raiva pelo fato de eu estar pedindo de volta.
    E eu peço mesmo, na maior cara de pau!
    Se eu sou uma maníaca controladora de livros? Quem sabe! HAHAHAHA
    A questão é que meus livros são meus filhos. Você emprestaria seus filhos? Ainda por cima para voltarem maltratados, riscados, "rasurados"... Acho que não!

    Ah, Jess, adorei essa coluna, espero que tenha mais assuntos polêmicos para eu "botar a boca no trombone" com você! Hehehe
    Beijos!

    http://tordodemorango.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode soltar o verbo mesmo, Midian! Vamo botar nossas revoltas pra fora!! Semana que vem tem tema novo no bate papo, vamo botar a boca no trombone! Hahaha. Beijoooo!

      Excluir
  2. #APOIADA

    Não empresto e não empresto mesmo, e quem tiver achando ruim, acabe a amizade!

    Experiências traumáticas, até folha ARRANCADA já teve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu teria ficado com muita raiva, viu!! Que sacanagem ):

      Excluir
  3. Só empresto os meus livros pra quem é de confiança, mas não me importo muito. Antigamente os meus livros eram deuses pra mim, qualquer coisa eu morria do coração, mas hoje, eu mesma risco, dobro, etc. porém se eu emprestar não quero que façam isso, tem que ter cuidado com o que não lhe pertence. Risco os meus livros, mas nunca risquei, nem vou riscar o dos outros, consideração em primeiro lugar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Keyla. O mundo precisa de mais pessoas com consideração e educação. Por mais que a gente não se importe muito, não quer que o outro esculhambe, né rsrs

      Excluir
  4. EU SOU NEURÓTICA EM RELAÇÃO AOS MEUS LIVROS! Hahahaha'
    Não empresto mais, de jeito nenhum (a não ser que more na mesma residência que eu e também me empreste livros ♥), já o restante (infelizmente) nem por consideração :(
    Já amassaram folhas e a capa, não me devolveram dois e no caso da minha irmã, derrubaram café e molharam o livro dela.
    AMO ver as pessoas lendo, mas como você disse ai em cima "o mundo precisa de mais pessoas com consideração e educação." Hahaha'
    Parabéns seu blog é lindo e eu adorei o post!
    Sucesso,
    Beijocas
    http://blogarotaestranha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para mim. <3
Volte sempre!